sábado, 30 de julho de 2016

Por que a geração atual odeia parente

Toda família tem um neto ou uma neta favorita. Aquele primo perfeitinho, de quem você fica até com raiva de tão certinho que ele faz tudo na vida. Ou ele ganha bem, ou é cheiroso, ou tira sempre notas boas, sempre está em vantagem sobre o resto da família.

Recentemente, tive a oportunidade de observar uma família a pedido, e cheguei mais uma vez a esse monstruoso diagnóstico das relações humanas: família é quem a gente escolhe, o resto é parente. Vejam bem, não sou psicóloga, sou fonoaudióloga, também cuido de gente e as relações humanas, principalmente as familiares, são necessárias na minha profissão. Por isso talvez elas sejam a parte mais dolorida e demorada em uma terapia.

A quantidade de memes de facebook sobre odiar parentes é incrível. E eu e a maioria das pessoas nos identificamos com todos eles imediatamente. E foi observando essa família que citei acima que pude ver o quanto quem nos detona são os nossos próprios pais. Geração nascida na década de 50, 60, que é o caso dos meus. Antes que vocês venham com o papo sobre eu ser ingrata com eles, explico: não tenho obrigação nenhuma de ser grata por aquilo que me detonou e não me ajudou a crescer.

Nossos pais falavam mal da gente. Não sei se por falta de assunto, eles precisavam de algo em comum com os demais parentes para iniciarem uma conversa, então falavam sobre filhos. E o que tinha de bom para falar de uma criança que, como qualquer outra, não queria tomar um banho, andava com amigos que eles julgavam não muito bons, não obedecia, não isso, não aquilo? Parente adora uma fofoca, uma desgraça alheia! Como ter o mesmo sobrenome não é garantia de confiança, ali estava o prato cheio para quem sempre esperou a gente ir para o buraco: concordavam com nossos pais e ainda espalhavam para o resto da família o quanto nós éramos filhos que davam trabalho.

Aí, é claro, sempre tem aquela avó para ficar enchendo a bola do fulaninho e detonando quem? Você! E a sua mãe nunca sabia por que diabos você não queria ir à casa da avó ou daquele parente chato que só sabia detonar você. Explicava para ela e, como você só tinha 5, 6 anos, não tinha querer não, era dia de visitar o parente chato e acabou. E lá na casa do sujeito era sempre a mesma ladainha: “ain, você não obedece, ain, você é feia, você isso, ain você aquilo”. Enche o saco você ir a um lugar onde só falam mal de você. Cansa.

Até o dia em que você descobre que quem dava a munição para o parente eram os seus próprios pais. Chocante, né? Então, na família ali de cima pude ver claramente quem era a mãe que falava mal do filho e quem era a mãe que falava bem. E, pasme, vá você falar para a mãe linguaruda que o que ela está fazendo é errado: ela diz que a mãe do outro o está protegendo. É óbvio, cara pálida, ela que é a mãe dele tem mais é que proteger; se ela não o fizer, quem o fará?

Então você percebe que é por isso que hoje não consegue ser a perua que sonhou ser quando criança (acho lindo, viu, de verdade!). Sua mãe dizia que você era feia, que se vestia mal, que não podia usar maquiagem. Cresceu, tem problemas com o espelho até hoje, e ela insiste, achando que está te fazendo um bem: você não se arruma, você tá gorda, você não sabe passar maquiagem.

Você tinha uma melhor amiga, mas não podia andar com ela. Era má pessoa? Não. O problema era o bairro comentar que ela seria homossexual. Preocupar-se em orientar os filhos sobre o assunto, não podia. Mas detonar a amiguinha em questão, ah, isso podia. E para a sua família, claro.

Você tirava sempre nota boa, mas bastava um erro seu – ninguém nasce sabendo – para você virar chacota. Eu tenho asco de me lembrar de um dia em que fui humilhada dentro de casa por uma pessoa estranha a nós, porque eu era criança e não sabia que Papanicolaou e teste de beta-HCG são coisas diferentes. A minha mãe, ao invés de repreender a pessoa, vira para mim e diz “tá vendo? Quem manda abrir a boca? Quem manda ser sabe-tudo?” Até hoje eu tenho dificuldade em levantar a mão em sala de aula e tirar uma dúvida. Tenho medo de parecer burra e também de ser aquela tia chata que faz pergunta no último minuto do último horário na sexta, que vai estudar depois dos 40 porque não tem o que fazer em casa. Até que eu sou gente boa, essa pergunta no último minuto da sexta eu não faço não, meus colegas podem ficar tranquilos. Assim como eles, também estou doida para ir embora!

E a vontade de falar mal dos próprios filhos é tão mais forte que os seus pais que eles ficam sem ação quando questionados em meio ao turbilhão. Um exemplo foi esse cara do Papanicolaou. Custava a minha mãe ter dito a ele que eu tinha só 12 anos e que isso ainda não me tinha sido ensinado? Em outra família observada, custava a mãe do fulaninho cortar a tia que tirava onda das espinhas dele? Custava a mãe de outro ter dito aos demais familiares que não vê problema algum em ter um filho homossexual e que isso não vai fazê-la amar menos o filho? Custava! Elas ficavam e ficam caladas! Vá questioná-las depois do ocorrido: elas se estressam ao extremo e tentam jogar a culpa do comportamento delas em você. Na hora em que você está diante de um médico ou outro profissional de saúde, ou ainda, de um raro parente que você ama e que tem empatia por você, e tem a oportunidade de falar o que sente em relação àquilo, elas tentam de toda forma se justificar e nos silenciar, para não causar confusão em família. E nem venham me falar que é por falta de escolaridade desses pais: estou falando tanto de gente que tem somente o fundamental como gente com nível superior e pós-graduação.

Você também começa a observar que os seus pais têm bastante amizade com aquelas pessoas que todo mundo mais detesta, e eles não entendem por que essa gente é odiada. São os parentes e amigos que também falam mal dos filhos ou de alguma forma fizeram mal para a família algum dia. Os mesmos que acham um absurdo hoje em dia não bater nos filhos, os mesmos que acham absurdo mulher responder à altura de “ordem” do marido, acham que depressão é frescura, que homossexualidade é falta de porrada, que preto e/ou pobre não são gente, que alergia é invenção de menino, que acham absurdo as relações estarem descartáveis atualmente. Na via contrária, você também observa que aqueles amigos dos seus pais que você ama e que eles visitam menos são exatamente os que sempre falaram bem dos filhos. Você não se lembra de nenhuma nota ruim daquela fulaninha, filha da beltrana, lembra? Pois é, das minhas todos se lembram até hoje. Depois ninguém sabe por que eu sou grossa. Por fim, você descobre também que não tem raiva daquele primo perfeitinho lá de cima, você tem raiva mesmo é de a sua avó ficar repetindo isso o tempo todo.

Por aí você entende o quanto sua autoestima detonada favorece a aparição de pessoas abusivas e manipuladoras na sua vida, que usam a necessidade que você tem de ser amada contra você. Agridem psicologicamente, às vezes fisicamente, como sei de alguns casos, jogam a família contra você, vendem a imagem de boas pessoas para que todos acreditem que você é a errada por desprezar um sujeito tão bacana. E é claro que nesse tipo de família o vagabundo se cria, porque ele sabe que quem deveria te defender vai ajudar a detonar você. Você sempre estará errada. Então você termina com uma coisa dessas e percebe que merece muito mais da vida. E chega à maravilhosa conclusão de que não são as relações que estão descartáveis: somos nós percebendo que não temos que aceitar migalhas de atenção e chamar de isso de amor.

Sou grata por muitas coisas sim. Sou uma filha que dá trabalho? Acho que não: até hoje não fugi de casa, não usei droga (não sei nem o gosto que o cigarro tem), não tenho problema com a polícia nem com a justiça. O trabalho que eu dava era só o de ser criança e, depois, adolescente. Hoje em dia sou gente sim, fiz meu curso na universidade, trabalho com isso, com a autoestima destruída, mas em franca recuperação, tanto que nem convido esse pessoalzinho para minha casa. Não dou a parente direito nenhum de festejar quando estou na merda, muito menos de estar comigo quando estou bem. 

2 comentários:

  1. "... E chega à maravilhosa conclusão de que não são as relações que estão descartáveis: somos nós percebendo que não temos que aceitar migalhas de atenção e chamar de isso de amor."
    Perfeito! Foi chegando a essa conclusão que me libertei. Agora eu levanto a voz sim, aponto o dedo na cara sim. Antes eu ficava calada pq era obrigada. Hoje não sou mais.
    Vingança? Talvez. O fato é que tem gente que não aprende que se planta discórdia, não dá pra colher amor.

    ResponderExcluir
  2. Tiri kupa mushonga mishonga zvinetso siyana utano, nokushandisa mushonga kuti zvapiwa nezviyo anogona kurapa zvirwere zvachose.

    Obat Epilepsi

    Obat Jantung Bocor Anak

    Obat Lipoma

    Obat Gerd

    ResponderExcluir